sábado, 6 de agosto de 2011

Xenofobia tem fortes raízes fincadas no Brasil

O instituto Ipsos Mori de pesquisa de opinião publicou um relatório sobre atitudes em relação à imigração de habitantes de 23 países*.

A BBC Brasil noticiou os resultados em tom otimista para o Brasil:
"Brasil é país que vê imigrantes de forma mais positiva, diz pesquisa". Embora factualmente corretao (dentro do universo amostral da pesquisa), o enfoque é enganoso.

Apenas 49% dos brasileiros consideram que os imigrantes tornam o país um lugar mais interessante para se viver. Só 47% acham que os imigrantes trazem benefícios ao país. E preocupantes 38% acham que a presença de imigrantes tornou mais difícil de se encontrar emprego no Brasil e, mais grave, 41% acham que há um excesso de imigrantes por aqui.

Embora na Europa a situação seja mais grave, o fato de aqui termos uma situação *relativamente* mais confortável não quer dizer que seja uma boa situação. Fica pior se considerarmos que temos apenas 700 mil estrangeiros residentes no país - multiplique por 4 para incluir os em situação irregular - em um país com 190 milhões de habitantes: isso dá 0,4 a 1,6% de estrangeiros no país.

É ainda mais ridícula a situação ao considerarmos que *todos* os brasileiros são imigrantes ou descendentes de imigrantes (inclusive indígenas). O Brasil foi construído e é tocado por imigrantes e seus descendentes.

Não consigo ficar otimista frente a esse quadro (ainda que não tenha a informação de se anteriormente ele era pior, melhor ou igual). A desgraça da xenofobia tem tudo para se tornar um problema de dimensões sérias no país. Precisamos urgentemente de campanhas para a mudança de atitude - algo no modo do "sou brasileiro, não desisto nunca", que rapidamente mudou a autoimagem dos brasileiros (e talvez tenha tido como efeito colateral o desenvolvimento da xenofobia).

*via @luisnassif blog do Luis Nassif.

Nenhum comentário: